Deputada Lauriete demite servidora que vendia bolos e pães usando o ganinete


A deputada e cantora gospel Lauriete Almeida (PSC), demitiu na última quarta-feira(20), uma servidora que usava e-mail institucional da Câmara para divulgar a venda de pão de queijo e bolo, divulgou nota esclarecendo o fato. 
Na verdade, na nota ela apenas confirma a demissão, sem esclarecer contudo, porque não deu odireito de defesa a servidora acusada, que ontem explicou para a Agência Congresso, que apenas fazia a divulgação da venda, e não à venda. 
"Ëu não ia vender nada. Apenas anotar os pedidos e ele entregaria. Fui ajudar um desempregado e perdi o emprego", explicou ontem a funcionária, se referindo ao primo do marido, para quem fazia a divulgação dos produtos. Veja a nota da deputada:

NOTA DE ESCLARECIMENTO
Com relação às informações que foram publicadas hoje, dia 20, a respeito da funcionaria GRAZIELE ALVES DE SOUZA RESENDE, o qual utilizou a dependência da Câmara para atividades comerciais, a deputada Lauriete vem a público ressaltar que assim que tomou conhecimento, condenou veementemente a pratica desta servidora, determinando a imediata exoneração da mesma, por desrespeitar a determinação da Mesa Diretora. A deputada determinou ainda que fosse dada ciência do ocorrido a Mesa Diretora da Câmara federal.

Entenda o fato...
A deputada federal Lauriete Almeida (PSC-ES)demitiu na última quarta-feira(20) por fax, uma servidora sua acusada de vender pão de queijo e bolo usando e-mail institucional da Câmara.
Uma nota da coluna Vitor Hugo de A Gazeta denunciou o fato. Ao tomar conhecimento da notícia a deputada, por telefone, mandou seu chefe de gabinete comunicar a demissão com o aviso de que "amanhã nem precisa trabalhar mais".
DIA DO MUI AMIGO  
Como se trata de cargo de confiança, a servidora é demitida sem direito a nada, só os dias trabalhados do mês de julho. Ela ganhava R$ 2 mil para atuar como secretária.
Graziele Alves contou para a Agência Congresso que usou o e-mail apenas para fazer divulgação, e que não comercializava nada no gabinete, o que é proibido.
Disse ainda que mora em Samambaia, distante do Plano, e que não havia vendido sequer um pão, já que fez apenas a divulgação da atividade que seria exercida pelo primo do marido dela.
CARIDADE
Ëu não ia vender nada. Apenas anotar os pedidos e ele entregaria. Fui ajudar um desempregado e perdi o emprego", afirmou. Ela estava no cargo há sete meses.
Antes de trabalhar com Lauriete, Grazielli trabalhou para outro parlamentar evangélico, Neucimar Fraga (PR), que deixou o cargo após ser eleito prefeito de Vila Velha.
Com o suplente de Neucimar, capitão Assumção (PSB), Grazile também trabalhou por dois anos. Ela admitiu que ganharia comissão nas vendas dos bolos e pães "para melhorar a renda".
Imagem: Reprodução
Colunista: Ivan de Freitas

Fonte: Agência Congresso

Um comentário:

Rebeca Fontinele disse...

Achei muito radical. Mas, negócios são negócios,, não há como constestar.

ONDE O SEU CORAÇÃO ESTÁ BATENDO